Iande - Arte com Historia

Iandé Arte com História

a arte do Brasil feita em
comunidades tradicionais
localize-se> Página Inicial> Cadastro> Boletim #12 - 05/agosto/2006  

Boletim de Histórias - número 12

 

Índice

1. Introdução: Cerimônia do Kuarup
2. O Primeiro Kuarup
3. Adornos Indígenas do Alto Xingu
4. Atualizações no site

 

1. Introdução: Cerimônia do Kuarup

O mês de Agosto marca o fim da estação seca na região do Brasil Central. Para alguns índios que vivem no Parque do Xingu, no estado do Mato Grosso, essa é a época para realizar sua principal cerimônia: o ritual do Kuarup.

O propósito do Kuarup é homenagear os mortos.

A aldeia que organiza o Kuarup, convida outras aldeias vizinhas para participar da celebração daquele ano. O resultado é que o ritual acaba sendo também um grande acontecimento social, com a reunião de centenas de indígenas de grupos diferentes. No ano seguinte, o Kuarup é realizado em uma aldeia diferente.

Já foram realizados vários documentários e reportagens sobre o Kuarup: a etiqueta dos ritos para a alma dos falecidos, os cantos e danças, a luta corporal que encerra a cerimônia, etc... Por sua beleza e simbolismo o Kuarup aparece todos os anos na mídia.

Esse boletim traz a história do primeiro Kuarup. Também mostra alguns adornos vestidos pelos grupos indígenas do Alto Xingu em suas festas. A propósito: o nome Kuarup é como se chama, na língua Kamayurá, uma árvore que é cortada para fazer os troncos que representam o espírito dos mortos nesse ritual. Segundo os índios Kuikuro, outro grupo que também celebra a festa do Kuarup, essa árvore é chefe de todas as árvores que existem.

 

Para saber mais:
- Kwarip: Mito e Ritual no Alto Xingu ; de Pedro Agostinho
- Xingu: Uma Flecha no Coração ; de Washington Novaes
- O Xingu dos Villas Bôas ; organizado por Cristina Müller, Luiz Octavio Lima e Moisés Rabinovici

 

 

2. O Primeiro Kuarup

Contam os índios Kamayurá que o primeiro homem a andar na terra foi Mavutsinim. Ele ensinou várias coisas aos índios e é o avô dos gêmeos Sol e Lua.

Mavutsinim queria que os mortos voltassem a viver. Ele foi até a floresta e cortou três troncos da árvore Kuarup. Trouxe as toras para a aldeia e as pintou. Depois colocou enfeites nelas: o cocar, braçadeiras, colares, cintos de algodão... tudo como se fossem gente. Por fim, mandou fincar os três postes no pátio da aldeia.

Ele chamou o sapo cururu e a cutia para cantar junto dos troncos. Os dois cantavam sem cessar, sacudindo seus maracás na mão direita, chamando os troncos à vida.

Mavutsinim disse a todos que os troncos iam viver como gente vive. Os índios todos se enfeitaram para comemorar. Quiseram chorar pelos mortos, mas Mavutsinim não permitiu, dizendo que eles iam viver e não se podia chorar por eles. Enquanto isso o sapo e a cutia não paravam seus cantos nem por um instante e assim continuaram por toda a noite..

Na manhã do segundo dia, Mavutsinim proibiu os índios de ver os troncos. Naquela noite, os troncos começaram a se mexer um pouco. Já queriam ser gente.

No terceiro dia, a metade de cima dos troncos já havia virado gente. Da madeira nasciam braços e pernas, que não paravam de se mexer. Mavutsinim mandou que todos se trancassem em suas casas para que a transformação se completasse.

Quando os troncos já estavam quase vivos, Mavutsinim mandou os índios saírem de suas casas para gritar, fazer barulho e rir junto com os Kuarup. Só não podiam sair, os índios que tiveram relação sexual com suas mulheres durante a noite.

Só um homem ficou dentro de casa. Porém, ele não aguentou de curiosidade e saiu depois. Na mesma hora, os Kuarup pararam de se mexer e viraram madeira novamente.

Mavutsinim ficou zangado com o homem. Depois sentenciou: "Agora vai ser sempre assim. Os mortos não reviverão mais quando se fizer Kuarup. Agora vai ser só festa."

Não se sabe onde foram largados os troncos do primeiro Kuarup, mas estão até hoje lá no Morená.

 

Para saber mais:
- Xingu: os índios e seus mitos ; de Orlando e Cláudio Villas Bôas

 

 

3. Adornos Indígenas do Alto Xingu

O Parque do Xingu foi criado em 1961. É uma área na região nordeste do estado do Mato Grosso onde vivem quinze grupos indígenas diferentes.

Na parte sul do Parque fica a região chamada de Alto Xingu, mais próxima da área onde nasce o rio Xingu. No Alto Xingu, vivem dez, dos quinze grupos indígenas diferentes de todo o Parque. Esses dez grupos falam línguas distintas entre si; porém praticam os mesmos costumes, rituais e utilizam adornos semelhantes. O Kuarup é um dos rituais praticados por esses grupos.

As dez etnias que vivem no Alto Xingu são: Kamayurá, Aweti, Kuikuro, Kalapalo, Matipu, Nafukwá, Waurá, Mehinaku, Yawalapiti e Trumai.

Um dos mais belos adornos, característico de todos esse grupos, é o cocar feito de uma base trançada de palha e recoberta de plumas de diversas aves. Essa é uma peça de uso cerimonial, equivalente a uma roupa de gala.


Cocar dos índios Waurá: foto de peça exposta
no Fresno Art Museum, EUA, em 1991/92

 

Outro adorno típico do Alto Xingu, são os brincos masculinos. As orelhas dos adolescentes são perfuradas em uma cerimônia que marca o fim de um período de reclusão.


a partir da esquerda: Pares de Brincos dos índios Kuikuro,
Yawalapiti e Kamayurá: foto de peças expostas no
Fresno Art Museum, EUA, em 1991/92

 

Outro ornamento típico do Alto Xingu é o colar de placas de caramujo. É um adorno obrigatório em toda ocasião social. Como alguns índios não o possuem, e outros possuem vários, há um complexo sistema de empréstimos nessas ocasiões. Os colares com placas maiores são usados pelos homens e os menores são femininos. Na ornamentação do tronco do Kuarup, os índios utilizam uma versão de uso cerimonial, onde o algodão que amarra as diversas placas é montado sobre uma haste de madeira.


Colar de Caramujo dos índios Kalapalo,
à direita: detalhe das placas

 


Colar Cerimonial de Caramujo dos índios Kuikuro,
utilizado na ornamentação do tronco do Kuarup

 

Para saber mais:
- Jogos e Brincadeiras do Povo Kalapalo ; de Marina Herrero
- Invisible People: Arts of the Amazon ; catálogo de exposição exibida em 1991/1992 no Fresno Art Museum

 


4. Atualizações no site Iandé

A-) No endereço com textos fundamentais, foi acrescentado uma artigo de Graciela Pereira dos Santos, índia Guarani do Mato Grosso do Sul, de apenas 20 anos, que procura desfazer preconceitos contra os grupos indígenas.

 

B.) Foi acrescentada na página "Respeito", uma frase do fotógrafo Sebastião Salgado sobre os índios do Alto Xingu

 

C-) Foram acrescentadas também, algumas peças no Museu Virtual da loja Iandé.


As fotos de cada peça estão nos links a seguir:

- Banco de Madeira em Forma de Onça, dos índios Juruna

- Labrete de Pedra, dos índios Parakanã

 

 
 
Iandé - Casa das Culturas Indígenas : rua Augusta 1.371 , loja 07 - Galeria Ouro Velho - São Paulo
Horário de funcionamento:   segunda a sexta
das 9:00 às 17:30h
fone: (11) 3283.4924
email: iande@uol.com.br