Iande - Arte com Historia

Iandé Arte com História

a arte do Brasil feita em
comunidades tradicionais
localize-se> Página Inicial> Textos> Fundamentais> Binóculos ou retrovisores  

Textos

Pensamento Indígena e Tradicional

Respeito

Cobiça

Fundamentais

 

cadastro para receber
boletim de histórias

 

Binóculos ou retrovisores
(artigo de Marcelo Ambrosio, publicado no Jornal do Brasil em 23/03/2005)

 

As forças armadas brasileiras estão precavidas diante da ameaça de invasão militar estrangeira na cobiçada e imensa região amazônica. E desenvolvem ali uma estratégia da resistência. O autor da frase é o general Cláudio Barbosa Figueiredo, chefe do Comando Militar da Amazônia, cujo binóculo, como se percebe, enxerga uma tensão além-fronteiras que não existe. De concreto, reconhece, só a ação de madeireiros peruanos na reserva dos índios ashaninkas.

É engraçado como um conceito historicamente tão desgastado ainda encontra voz. Esse discurso nacionalista, que envolve a soberania do Estado sobre a região, se justificava no tempo em que o mundo se digladiava entre o expansionismo soviético e a contenção americana. Hoje, lembra o protagonista do romance O Deserto dos Tártaros, do italiano Dino Buzzatti. Na obra, o comandante de uma guarnição napoleônica perdida num fim de mundo passa a vida perscrutando o horizonte em busca de sinais de uma invasão que nunca chega. Enquanto espera, não percebe que às suas costas o mundo mudou, evoluiu. Quando finalmente a hora surge, passa a questionar se realmente vale a pena lutar por algo então já sem valor estratégico algum.

Guardadas certas diferenças, o que ocorre com a Amazônia hoje é isso. Não é preciso temer ameaças externas, porque já há ratos brasileiros demais aqui dentro roubando madeira, grilando terras, explorando garimpos em reservas protegidas, surrupiando a biodiversidade com a anuência de um Estado que se identifica nos poderes locais ou se apequena diante deles. Se aproveitam do fato de os comandantes estarem, como no livro de Buzzatti, à espera dos tártaros que nunca chegam.

Sobram exemplos dos efeitos da miopia histórica causada por uma visão mofada do sistema internacional, capaz de interpretar, por exemplo, a delimitação de uma nação indígena como ameaça à unidade nacional, especialmente se os índios vivem perto da fronteira. A verdadeira soberania é aquela que deriva da aplicação das leis a que todos os atores são submetidos. O comandante não precisa de binóculos, mas de um retrovisor.

(Marcelo Ambrosio - Editor de Internacional do JB)

 

voltar para Textos Fundamentais

 
Iandé - Casa das Culturas Indígenas: rua Augusta 1.371 , loja 07 - Galeria Ouro Velho - São Paulo
Horário de funcionamento:   segunda a sexta
das 9:00 às 17:30h
fone: (11) 3283.4924
email: iande@uol.com.br